Criando um mundo à minha medida... -"Grande mundo!!! Tu só medes 1.80"...

Terça-feira, 05 de Fevereiro de 2008

No dia em que mais chorei… No dia em que menos sorri… No dia em que o céu parecia cair a meus pés e tudo a meu redor estava estranho…. Encontrei-te…

Vinhas lá do fundo, onde o olhar se perde e as rochas ocultam tua presença. Apareceste a minha procura. Sentiste por momentos a falta de alguém que te compreenda como até hoje tiveste, alguém que soube dar importância aos teus problemas e que sempre te apoiou, sem nunca pedir nada em troca.

Querias fazer as pazes.. Querias voltar, alegando que a tua vida sem mim não era vida, apenas algo sem sentido nem rumo, onde vagueavas à procura de algo que conseguisse preencher o vazio que tu própria criaste quando me afastaste de ti..

Deixei de lado rancores e orgulhos, deixei para trás uma pessoa que tinha prometido criar, que nunca mais iria preocupar-se contigo ou dar-te mais valor para além daquele que possuis.

Mas senti a tua falta, não nego… A minha vida não estava fácil e precisava de estar com alguém. Ainda sinto por ti, o amor que tanto tentei arrancar do meu peito, que fez com que passasse tantas noites em claro a olhar-me ao espelho, desejando ter uma morte fulminante.

Vou dar-te outra hipótese, sabendo desde já que será mais uma em vão, gostava tanto que não fosse, que realmente fosse verdade, que tivesses mudado. Antigamente não eras esta pessoa que tanto ódio e rancor trás dentro do peito. Queria que voltasses a ser a pessoa que conhecia em tempos, repleta de ideias e fantasias por realizar, adorava ouvir as tuas histórias, mesmo sendo disparatadas eram algo que me faziam sonhar e que sentia ser um estimulo para ti…

Gostava que por vezes não fossemos seres mutáveis e imprevisíveis. Gostava de ter um dedinho que conseguisse prever o que ainda guardado para nós… 

sinto-me:
música: Leona Lewis
publicado por EA às 20:46

Quinta-feira, 03 de Janeiro de 2008

Esta a chover a potes na rua.

Encontro-me mais uma vez, naquela fase de melancolia… Penso se isto será algum tipo de sinal, chuva, melancolia, solidão…

Estou mais uma vez nesta cama tão vasta e ao mesmo tempo tão aconchegante, e de ti??? Nada sei, sinto-me ainda mais melancólico…

Depois do dia de ontem, em que vi a vontade de querer partir deste mundo e encarnar no outro, depois de derramar mais lágrimas, que por muitos foram inferiorizadas, por terem caído dos meus olhos e não dos olhos de uma mulher (senti que até no chorar, nós homens somos recriminados por nós próprios. Dizemos que é todo a base de teatro, ou a expressão que gosto mais de ouvir: “são frescuras”, irónico, até parece que quando uma pessoa chora, as lágrimas que são libertadas não são lágrimas sentidas, por várias razões, ou apelos de compreensão e carinho, de alegria e de satisfação, de até mesmo raiva e frustração).

No dia de hoje, a minha vontade de ficar triste apaziguou-se devido à chuva, que autoritariamente batia e abatia furiosamente os meus estores.

Abri os mesmos e vi que na rua todo estava encharcado, vi a sorte que tive em hoje ainda estar na cama e não ter que enfrentar mais esta guerra.

Voltei a deitar-me e pensei: “Na solidão do meu ser, cresce a necessidade de se querer viver. Posso agora estar sozinho, a ouvir a chuva nesta enorme cama, mas sei que em algum lugar, encontra-se a outra parte que me complementará um dia, que fará de mim um ser realizado.

Pode não ser hoje, nem amanha, nem depois de amanha, nem num futuro próximo, mas sinto que um dia irás sentir-te como me sinto hoje e virás a minha procura.

Acho que quando nascemos, já deveríamos saber localizar onde é que estão as partes e as pessoas que nos fazem falta para a vida, acho que assim a efemeridade da vida seria melhor aproveitada… Mas não, haveria sempre alguém que não concordaria, pois assim não haveria guerras nem pessoas a passar fome, e assim não seríamos uma grande sociedade… (ironia)

São estas as coisas que me fazem pensar se irei querer ter filhos nesta sociedade que a pouco e pouco auto mutilasse….    

sinto-me: Com ataques nos ataques...
música: Sara Tavares - Longe do Mundo
publicado por EA às 20:39

Quarta-feira, 26 de Dezembro de 2007

Nos lábios que outrora não quis penetrar, no corpo que outrora não quis que fosse meu… Agora sinto-os….

Sinto a crueldade de te querer, de sentir, de te ter… De conseguir criar em nós uma esfera capaz de reter a fugacidade do tempo… Capaz de fazer de ti algo só meu…

Sei que já não posso, vou tarde…. Tens alguém… Alguém que não sou capaz de superar, pelo menos por agora. Pessoa essa, que faz de ti a pessoa mais radiante e com o sorriso mais acolhedor que conheço… Gostava de um dia, também ser capaz de te fazer sorrir assim.

Acho que dei o passo mais errado para o momento. Admiti que gosto de ti, que sinto-me bem contigo, que o meu corpo almeja o teu…

Foi um “parvo”, deveria ter ficado na minha cama e de lá, nunca ter saído, se assim fosse nada disto teria acontecido, estaria todo igual, sentimento por sentimento, pessoa por pessoa, dor por amor…

Resta agora esperar, que o tempo consiga fazer esquecer esse momento que não se desfaz da minha memória, devido a minha falta de vontade… Ser capaz de continuar a fingir que nada se passa e que a vida continua…

sinto-me:
música: Toranja - Por dentro de mim
publicado por EA às 15:05

Sábado, 20 de Outubro de 2007

Tento ignorar a saudade de te ter, de falar contigo, de apenas querer ver-te…

Tento ignorar o que é evidente… Sinto-me mal por não te ter, nem querer arriscar em tentar…

Sinto saudades… Sei que por um lado, estou certo em não ceder…

Mesmo que queira estar contigo, falar-te acerca do que se tem passado comigo dia-a-dia, dos meus problemas, angústias, das alegrias e dos momentos mais cómicos, não me vou deixar ir a baixo... Continuarei esperando que venhas dizer alguma coisa, Dando-me notícias sobre ti, do que tens feito, de como estas…

Não serei eu a ir mais uma vez a tua procurar, tentando fazer com que uma relação funcione apenas só com uma pessoa a tentar com que esta ande para a frente.

Ficarei em baixo se for preciso, poderei derramar lágrimas caso sinta necessidade de o fazer, mas irei tentar ao máximo não te procurar…

Deixarei de me humilhar por ti, mesmo gostando de ti… Irei ser forte e não entrarei em contacto contigo, mesmo que marque o teu número de telemóvel várias vezes ao dia, ao quando entras no messenger e eu clico em ti, só para poder ver a tua cara…

Começarei a dar-te desprezo…

Pode ser que um dia possas venhas a dar valor a quem te quis bem e tu ignoras-te.   

sinto-me:
música: dEUS - Nothing really ends
publicado por EA às 10:54

Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007
Ando estrada fora, sem sentido, rumo ou destino certo… Penso que para ti sou apenas mais um, descartável e vulgarizado por todos aqueles que já tiveste. Acordo e penso se valerá a pena acordar, vestir, rir, chorar ou qualquer outro gesto… Questiono-me se devo continuar a viver, pois tu eras a gravidade do meu mundo, aconselhavas-me a ficar os pés em terra e reflectir acerca dos meus, teus, nossos problemas... Pensei isolar-me, fugir de ti, passar por locais onde sei que não costumas frequentar, para que a dor de te ver fosse desaparecendo, mas não valia a pena… Fosse o que fosse que observa-se, lembrar-me do teu jeito de ser, do teu olhar, do teu cheiro, humm como tenho saudades do teu toque, de sentir a tua doce pele a passar-me pelos lábios, dos momentos em que sentia-me especial e único… Agora de nós, resta apenas os porta-retratos, recordações, e principalmente em mim, o vazio, que preenchias com o teu amor. Tentei o suicídio, mas não resultou... Só imaginar que não poderia ver-te mais, fez com que a minha vontade de morrer termina-se em breves segundos…. Sei que não estas comigo, nem que me amas como dizias, mas eu por ser estúpido e amar-te de verdade não te vou perseguir nem tentar fazer-te mudar de ideias, mesmo tendo o meu coração apertado e ferido por dentro com tua ausência, serei forte! Por muito que custe, tens em tuas mãos a tua vida e a minha, pois quando foste embora levas-te ambas contigo… Mas de uma coisa não posso abdicar, de espreitar-te quando estas a sair de casa sem que notes, ou quando estas a comer aquele gelado que em tempos foi nosso, ou ainda o que não poderei mesmo evitar é de recordar-te quando passa a nossa música, que insistentemente procuro no rádio, ahhhh lembras-te como fazíamos planos ao som dela, lembro-me como se fosse neste preciso momento, estávamos em tua casa, mais ninguém estava... Éramos loucos por fazer viagens e conhecer o mundo, Egipto, euroupa, Brasil…. humm momentos que não esqueço. Mas tu já nem te deves lembrar, de um momento para o outro disse-te que já não me amavas, que era todo um equívoco. Será que o que se passou entre nós não significou nada para ti???
sinto-me:
publicado por EA às 13:44

Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007

Desde aquele dia, em que a vida começará a sorrir para mim e que tu apareceste, todo estava em permanente modificação, sentia-me leve, sem problemas, sem frustrações ou dúvidas… Estava a ser pelo menos uma vez na vida eu próprio, genuíno comigo mesmo sem tentar iludir-me ou cegar-me com a criação de um ser que não era eu!!!

Daí em diante todo parecia mágico, mesmo como nos filmes que vemos, todo é importante, o momento, um sinal, até mesmo o adeus, parte menos boa do nosso instante…. Mas tudo isto fazia parte do nosso ciclo, era esse mesmo adeus que nos fazia mais fortes, fazendo-nos dar valor a todos os instantes que passávamos. Quando chegavas, nem sabia por onde havia de começar, parecendo que não, desde o nosso adeus até ao nosso reencontro passavam-se horas, dias, semanas até… Mas só de imaginar que passado esse tempo poderia ter-te de novo a meu lado, deixava-me feliz.

Posso dizer que nossa relação atingiu o auge, todo era sublime, mas como a vida não é bem como queremos… Todo mudou! Começamos a ter menos tempo para nós, a distância começava a contribuir para esse afastamento, a falta de comunicação entre nós parecia mesmo uma realidade, nunca tinha imaginado que isso poderia acontecer… Ainda me lembro, como se fosse ontem mesmo, ficarmos até as tantas a conversar sobre coisas que até poderiam ser insignificantes para muitos, mas para nós eram temas que contribuíam para o nosso desenvolvimento, saber opiniões, tecer pontos de vista, enfim era um mundo há parte, que nós próprio criamos, esse era o nosso mundo… Agora noto que todo foi em vão… Sei que de momento tens alguém, espero que estejas feliz…

Posso dizer que contigo cresci e sinto-me um ser melhor, amadurecido e com a desvantagem de ter uma tristeza dentro de mim…

 

Tristeza essa que cresce dentro de mim a largos passos, tornando-me uma pessoa frustrada e rancorosa, com desejo de vingança e de fazer justiça com minhas próprias mãos… Sonho que te tenho em minhas mãos e que te provoco uma dor desmesurada, sentindo teu pescoço em minhas mãos, apertando-o pouco a pouco, agradando os meus olhos com o teu pavor e receio, dando ao meu subconsciente uma adrenalina e prazer que nunca este tinha alcançado… Acordo!!!!!! Sinto-me o pior dos seres, preparo uma corda que coloco por cima do candeeiro, que fica voltado para a grande varanda que tinha…. Coloco-me por baixo do candeeiro, subo para lá com o auxilio de uma cadeira, coloco a corda à volta do meu pescoço, deixo fluir uma gargalhada doentia, olho tristemente para a nossa foto… Abate-se uma lágrima de um dos meus olhos, mando a cadeira abaixo, rapidamente vem-me a memória num flash toda a nossa vivência, todo o nosso amor, ou pelo menos aquele que tinha por ti… Fecho os olhos, estou no escuro…………            

publicado por EA às 10:50

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Últ. comentários
Olá Daiane!Sou Psicóloga e fazendo uma pesquisa no...
Olá ! Agradeço as visitas que recebo de sua parte ...
Não pude deixar de vir cuscar e comentar! Goste...
Olá! =)Todos nós merecemos um "miminho" ocasionalm...
Oh... Isso foi tão incrivelmente fofo. Agora fique...
Gosto
boa música e bom vídeo!
Dói sim! Só pode doer, quando o ser interior é tão...
Olá :)Gostava muito de falar melhor contigo! Neste...
Nicka, até eu gostava de ouvir um seu "meo" da pes...
O que me vai na alma...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro